Notícias e Artigos

Trabalhamos com todos os tipos de pesquisas, sempre oferecendo ao cliente a melhor alternativa existente para cada demanda.

Notícias, Notícias e Artigos

Crianças acessam web mais para usar rede social do que para estudar

crianças redes sociais

Pesquisa do CGI.br diz que 13% acessam a rede para fazer dever escolar.
Enquanto isso: 53% usam internet todo dia para entrar em redes sociais.

Apesar de a maioria das crianças brasileiras utilizarem a internet para fazer trabalhos escolares, as redes sociais são campeãs em assiduidade, informou o estudo “Tic Kids Online Brasil 2012”, divulgado nesta terça-feira (7) pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br).

Enquanto 82% das crianças e adolescentes de 9 a 16 anos afirmaram que utilizam a web para fazer deveres da escola (o que colocou a ação em primeiro lugar na lista de atividades feitas na internet), 68% disseram que utilizam a rede para visitar páginas de redes sociais.

A pesquisa realizada pelo instituto Ipsos ouviu 1,6 mil crianças e adolescentes entre 9 e 16 anos e 1,6 mil pais, entre abril e julho de 2012.

Completam o top cinco: assistir vídeos (66%), jogar games via internet com outras pessoas (54%), enviar mensagens instantâneas a amigos (54%).

Quando o aspecto mensurado é a assiduidade, o quadro se inverte. As atividades escolares aparecem em último lugar: apenas 13% dos entrevistados afirmando que acessam a internet todos os dias para realizar as atividades.

Já as redes sociais dividem a liderança das atividades que as crianças realizam todos os dias com o envio de mensagens instantâneas. Ambas possuem 53%. Ganham inclusive do envio de e-mails, atividade realizada por 39%, que divide o segundo lugar com as postagens em sites.

Antes dos 13
A pesquisa revelou também que possuir contas em redes sociais é uma atividade disseminada entre as crianças, cuja participação é vedada nesses sites, de acordo com seus termos de uso. No Facebook e Twitter, a idade mínima é 14 anos.

No entanto, segundo o relatório, possuem contas em redes sociais 42% das crianças de 9 a 10 anos, 71% daquelas entre 11 e 12 anos e 80% entre as que possuem 13 e 14 anos –27% do total possuem mais de um perfil. Cientes da proibição, mas da metade (57%), utiliza uma idade diferente da real.

Metade delas possui mais de 101 amigos nesses sites. Além de ver quaisquer tipos de informações publicadas nesses sites e interagir com outros usuários, as crianças e adolescentes também compartilham informações pessoais: 86% compartilham fotos que mostram seus rostos; 13% revelam seu endereço e 12%, o número do telefone.

Nem sempre o contato na internet é feito apenas com conhecidos. Dentre as crianças de 9 a 10 anos, 5% afirmaram ter contatado alguém que não conheciam pessoalmente. Entre as que possuem 11 e 16 anos, esse percentual é de 23% –dentre estes, 23% relataram ter encontrado essas pessoas.

Segurança
Além de captar a forma como crianças utilizam a internet, um dos objetivos da pesquisa é mensura a que riscos elas estão sujeitas a navegar na rede.

Mensagens de ócio contra pessoas ou grupos de pessoas foram expostas a 14% das crianças ouvidas. Pouco mais de um quinto delas (22%) passaram por alguma situação ofensiva nos últimos 12 meses.

Enquanto isso, a porcentagem de pais que acredita que os filhos tenham enfrentado algum incômodo ou constrangimento é de apenas 6%.

Fonte: G1 – Globo / CGI.br

Tags:, ,

Leia também

  • 04/07/2017 - Millennials e empreendedorismo

    Pesquisa do Instituto AGP revela expectativas dos millennials em relação ao futuro e como eles enxergam o empreendedorismo.   A geração millennial, composta por jovens nascidos entre 1980 e 2000, possui características e anseios diferentes das gerações anteriores, principalmente no [Leia mais]

  • 04/07/2017 - Hábitos de compra da população com mais de 60 anos

    Instituto AGP revela hábitos de compra da população acima de 60 anos.       Com o aumento do número de idosos no Brasil, se torna cada vez mais importante conhecer e entender os hábitos e comportamentos dessa faixa da população. Pensando nisso, o Instituto AGP, real [Leia mais]

  • 04/07/2017 - Sono dos Paulistanos

    Pesquisa do Instituto AGP revela como o paulistano tem dormido.     Pesquisa realizada com mais de 400 moradores da cidade revelou os hábitos de sono dos paulistanos e mostra resultado preocupante: 60% dos habitantes da cidade dorme menos de 7 horas por noite, ou seja, menos do q [Leia mais]

Últimas notícias

Metodologias

Trabalhamos com todas as metodologias disponíveis para a coleta de informações, e certamente uma delas é a adequada para a sua necessidade.